Tráfico do Morro da Barão expulsou morador vizinho do “abatedouro” onde aconteceu o estupro

By | June 10, 2016

A Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav) descobriu ontem, em operação no Morro da Barão, na Praça Seca, que um vizinho do local conhecido como “abatedouro” teve sua casa destruída e teria sido expulso da comunidade pelo tráfico de drogas. A polícia acredita que ele possa ter testemunhado alguma movimentação dos criminosos durante o estupro da jovem X., de 16 anos. Os agentes suspeitam ainda que se trate do mesmo morador citado por um dos presos pelo crime, Raphael Belo, em seu depoimento.

casa-morador-expulso-morro-barao

A residência depredada pelos criminosos fica abaixo do “abatedouro”. Raphael afirmou à polícia que uma pessoa que morava nesse mesmo ponto teria visto o momento em que ele e Raí de Souza, também preso, deixaram o local, e que poderia confirmar sua versão dos fatos.

Durante a operação na Barão, os policiais da Dcav conseguiram ainda localizar a primeira casa na qual X. esteve antes de ter sido levada para o abatedouro, onde foi estuprada. A distância entre os dois imóveis é de 90 metros. Foi feita perícia na residência, que tem dois cômodos – cozinha americana junto à sala e um quarto. Não houve confrontos durante a ação, que contou com apoio dos policiais da Delegacia de Combate à Drogas (Dcod) e da Divisão de Homicídios (DH).

A especializada apura a participação de mais um traficante no estupro coletivo da jovem. Com ele, já são nove suspeitos investigados pela especializada. Dois deles — Raphael e Raí — já estão presos. O jogador Lucas Perdomo chegou a ser capturado, mas a delegada Cristiana Bento, responsável pelo caso, pediu revogação de sua prisão. Outros cinco suspeitos continuam foragidos.

Além de Da Russa, continuam foragidos os traficantes Moisés Camilo de Lucena, o Canário e outro identificado apenas como Jefinho. Também são procurados Marcelo Miranda da Cruz Correa, de 18 anos, e Michel Brazil da Silva, 20, que teriam divulgado as imgens da jovem na internet. A polícia não acredita que os dois últimos tenham envolvimento no estupro.







Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *