Milícia do Jordão “vendeu” a comunidade para traficantes do comando vermelho

By | August 23, 2015

Ações inócuas

Ações inócuas

Enfraquecido pelos constantes ataques de traficantes, o chefe da milícia da rua Jordão se rendeu e negociou a exploração da comunidade por R$ 3 milhões para traficantes do comando vermelho.

O grupo paramilitar negociava ajuda da liga da justiça de Campo Grande, Zona Oeste do Rio, para um reforço de homens e armas mas a “missão” ficou cara demais e o trato não seguiu em frente.

Os traficantes que passaram a controlar o Jordão vieram principalmente do morro do Juramento que foram expulsos por criminosos da facção ADA no início deste ano. Estes traficantes usaram o complexo de favelas da Praça Seca como base para os ataques.

Com a tomada do Jordão, só irão restar em Jacarepaguá a Vila Sapê em Curicica e o morro da Chacrinha na Praça Seca controlados por grupos de milícia e o comando vermelho não vai parar enquanto não controlar tudo. Quando isso acontecer muita gente vai ter saudade do tempo dos grupos paramilitares, principalmente quando instalarem uma barricada e uma boca de fumo na porta de sua casa.

A discussão sobre segurança púbica em Jacarepaguá é exatamente essa, torcer para um grupo criminoso menos nocivo nos proteger de outro. O estado só entra para receber suborno e o tráfico tem condições de pagar mais.

O miliciano Melo estava sem saída, vendia o morro e fugia ou entrava numa guerra onde poderia vencer ou perder tudo. Mesmo vencendo poderia ser preso por um delegado da Draco em busca de promoção, como vimos no caso do Betinho na Vila Sapê, é mais fácil prender um miliciano que não dá tiro em polícia e ganhar uma promoção do que subir o São José Operário e enfrentar 50 fuzis para prender um traficante como o Da Russa.

 







 

4 thoughts on “Milícia do Jordão “vendeu” a comunidade para traficantes do comando vermelho

  1. rs

    um bando de filho da puta defendendo o trafico de droga , e é verdade duvido a draco prender um traficante . se eu sou miliciana mando meter bala encima da civil quando entra na comunidade

    Reply
  2. Wellington

    Infelizmente senhores(as) não é ser favorável a um grupo M ou a um grupo T infelizmente e repito isso, é claro a visão estrategista, política e social de que não existe o certo nesse caso concreto. Apenas devemos interpretar esse contexto urbano como sendo deplorável para o poder público que se coloca a Mercer de quem tem de fato o poder. Isso tudo nada mais é que um jogo de poderes e interesses onde quem sai perdendo somos nós como sociedade.
    E eu digo sociedade não àquelas pessoas que destoa o certo agindo no errado mas sim as pessoas de bem, honestas para com os outro e consigo mesmo!
    Infelizmente o que vemos hoje é todos querendo se dar bem!!! Não existe valores éticos e morais !! O que existe é : A valorização e a busca desenfreada do Ter deixando cada vez mais de lado o Ser. Pense nisso!!
    Vocês seriam capazes de abrir mão de ter poder e status sabendo que para isso teriam que passar por cima de conceitos morais, honesto e humanos colocando em detrimento a vida de seu semelhante? Essa é a questão que vivemos!! Colocando de maneira para que todos aqueles que lerem entenda; Farinha é pouca então o meu primeiro!!!.
    Pense nisso!!! E responda de coração e conscientemente!

    Reply
    1. Wellington

      Nós somos o reflexo de reciprocidade da sociedade em que vivemos!!

      Reply
  3. Não sei

    É sério que estão acreditando que essa matéria é verdade? Cadê as referências, o nome do autor… Com base em que a pessoa escreveu isso? Uma matéria tão “confiável” que nem passou por uma revisão ortográfica antes de ser postada.
    Não sei se isso é verdade ou não, não faço ideia. Mas acho que se fosse uma matéria seria a pessoa estaria neutra nessa história, assim como vemos as notícias nos jornais e TVs….
    Sei lá né?! Só acho que tem muita informação sem prova …

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *